Busca:   
     
 
 

 

Asma

Asma.bmp

 

A asma é uma doença em que ocorre inflamação das vias aéreas (que conduzem o ar para os pulmões) e que as pessoas podem ter por vários anos. Não existe cura definitiva para ela, mas existem meios de controlá-la e modificar a sua evolução. A melhor maneira de mudar o curso da asma é trabalhar juntamente com o médico para encontrar o melhor tratamento para a sua criança, buscando o controle da doença. Se a criança continua tendo crises de asma, isto é sinal de que a doença não está controlada adequadamente. A grande maioria das crianças com asma apresenta quadros leves, que muitas vezes não necessitam de tratamento preventivo. Entretanto, uma crise forte de asma pode levar à morte, caso o tratamento não seja prontamente instituído, conforme a orientação do médico.

 

Para que servem os medicamentos na asma?

Durante uma crise de asma, as vias aéreas internas dos pulmões tornam-se inchadas e estreitas. Como resultado, a criança poderá ter sensação de aperto no peito, tosse, chiado ou ter dificuldade para respirar.

Os medicamentos utilizados no tratamento da asma podem ser preventivos ou de alívio imediato das crises. Os medicamentos preventivos evitam novas crises de asma. Eles atuam vagarosamente durante semanas ou meses para diminuir o inchaço das vias aéreas. Eles devem ser administrados diariamente mesmo que a criança esteja bem e sem sintomas de asma. Uma parte das crianças com asma necessita receber medicamentos preventivos por vários meses ou anos, diariamente. Esses medicamentos não podem ser interrompidos e não se deve deixar de administrá-los por esquecimento, mesmo que seja por um único dia.

Os medicamentos de alívio ajudam a interromper a crise já iniciada e podem evitar que ela se torne muito grave. Eles agem rapidamente promovendo a abertura das vias aéreas dos pulmões durante a crise de asma. Podem ser administrados, sob orientação médica, nos primeiros sinais de chiado, tosse, aperto no peito ou dificuldade para respirar. Freqüentemente é necessário administrá-los diariamente durante uma ou duas semanas após o início da crise de asma até a melhora completa dos sintomas. Quando estes medicamentos necessitam ser administrados com muita freqüência, é sinal de que a asma não está bem controlada e que há necessidade de administrar um medicamento preventivo.

 

Quais são os fatores que podem precipitar uma crise de asma?

As crises de asma podem aparecer e desaparecer após uso dos medicamentos de alívio. No entanto, os pulmões permanecem muito sensíveis a vários fatores externos que são considerados irritantes das vias aéreas e podem desencadear uma nova crise. Os medicamentos preventivos podem auxiliar, mas é necessário reconhecer os fatores considerados desencadeantes da crise e tentar evitá-los o máximo possível.

·    A exposição aos fatores relacionados abaixo podem precipitar uma crise:

·    Fumaça, especialmente de cigarro e queimadas;

·    Poeira doméstica e ácaros; 

·    Animais domésticos (cão, gato);

·    Pólen de plantas e xaxins;

·    Infecções por vírus (gripes e resfriados);

·    Poluição;

·    Mudanças bruscas de temperatura.

 

O que deve ser feito antes e após sair do consultório do médico ou da unidade de atendimento de urgência?

Fique atento às orientações do médico e da enfermeira e procure entender corretamente a receita e as seguintes instruções:

·    Tempo de administração do(s) medicamento(s), quantidade, forma de administração (oral, por inalação ou por “spray”);

·    Quais são os medicamentos preventivos e os de alívio das crises;

·                      O que fazer caso os sintomas não melhorem ou piorem;

Administre os medicamentos exatamente como foi orientado pelo médico ou pela enfermeira, na quantidade e no tempo.
Mantenha rigorosamente as consultas de rotina para o controle da asma, mesmo que a criança esteja bem e sem sintomas. Nunca interrompa os medicamentos preventivos, mesmo quando a criança estiver utilizando medicamentos de alívio das crise.
Se você tem um médico que cuida da asma do seu filho, comunique-o sobre o atendimento de urgência e marque uma consulta no intervalo de 3 dias para uma reavaliação.

Qual é a importância e como devem ser utilizados os medicamentos prescritos na forma de “spray”?

Os medicamentos administrados na forma de “spray” e popularmente chamados de “bombinhas” não são prejudiciais à saúde do seu filho, como a maioria das pessoas pensam e, muito pelo contrário, são remédios seguros e eficazes no controle e no alívio imediato das crises, desde que utilizados de maneira correta.

As vantagens da utilização desta forma de tratamento é que a ação do medicamento é praticamente imediata e as doses utilizadas são muito pequenas em relação às outras formas de administração. A maioria dos medicamentos preventivos são utilizados desta forma e, apesar de serem administrados por tempo prolongado, os seus efeitos colaterais são mínimos ou desprezíveis, desde que as orientações do médico sejam seguidas rigorosamente.

Como administrar os medicamentos na forma de spray? 

·    Certifique-se de que o cilindro metálico esteja firmemente preso à peça plástica;

·    Remova a tampa e agite vigorosamente o “spray”;

·    Peça à criança para expirar profundamente, “esvaziando” os pulmões;

·    Coloque o “spray” a cerca de 5 cm da boca aberta da criança, e então pressione a parte metálica para liberar um jato da medicação no início da inspiração, que deve ser profunda;

·    Oriente a criança a prender o ar (e a medicação inspirada) por 5 a 10 segundos, ou o máximo que ela conseguir.

Oriente a criança a soltar o ar lentamente.

ATENÇÃO:
Se você perceber escape da medicação pela boca da criança durante a aplicação, isto significa que a técnica utilizada precisa ser melhorada. Consulte seu médico!

A parte plástica do “spray” pode ser limpa com água morna, desde que previamente retirada a parte metálica, que só deve ser recolocada quando a parte plástica estiver bem seca.

NOTA: as bulas dos medicamentos em “spray” costumam conter instruções quanto à sua utilização.

SE APESAR DO TRATAMENTO EM CURSO A CRIANÇA CONTINUAR APRESENTANDO FALTA DE AR OU TOSSE, OU AINDA SE VOCÊ PERCEBER QUALQUER PIORA DA ASMA, PROCURE ATENDIMENTO MÉDICO IMEDIATAMENTE.

Mesmo crianças pequenas podem utilizar as medicações em “spray” com o uso dos espaçadores, com ou sem máscara. Entre os espaçadores disponíveis no Brasil, podemos citar o Fisonair®, Luftchamber®, o AeroChamber®, estes últimos disponíveis com ou sem máscara, em vários tamanhos. Os espaçadores com máscara geralmente são utilizados para as crianças.

Como administrar os medicamentos em spray com os espaçadores?

Espaçador com máscara:

·    Prepare o spray removendo a tampa e agitando bem o frasco, colocando-o na abertura de borracha do espaçador;  Coloque a máscara do espaçador firmemente sobre o rosto da criança, certificando-se que a mesma cobre o nariz e a boca e não há espaços entre a máscara e o rosto da criança;

·    Pressione a parte metálica para liberar um jato da medicação dentro do espaçador;

·    Mantenha a máscara no local até que a criança respire pelo menos 6 vezes. Você pode observar a válvula de borracha de cor cinza, próxima à máscara, para ajudar a contar as respirações da criança;

·    Se a criança necessitar um segundo jato, aguarde 30 segundos, agite novamente o “spray” e repita as etapas 1 a 4. Não aplique mais de um jato de cada vez dentro do espaçador.

ATENÇÃO

·    Se a criança chorar muito ou se agitar durante o uso da medicação, tente insistir no uso e acalmar a criança. Com o tempo, a tendência é que ela se acostume com o uso da medicação com o espaçador;

·    O choro não interfere na absorção ou eficiência da medicação;

·    Quando a criança tiver 4 a 5 anos pode-se trocar o espaçador para um modelo sem máscara, o que vai proporcionar uma menor perda de medicação no nariz;

·    Se a medicação em uso for um corticosteróide inalatório (Beclosol®, Clenyl®, Flixotide®, Azmacort®, Pulmicort®, Busonide®), ofereça algum líquido após a aplicação do spray ou oriente a criança a lavar a boca com água. Este procedimento diminui o risco de aquisição de candidíase oral (“sapinho”);

·    Para evitar acúmulo de poeira, mantenha o espaçador em seu invólucro plástico quando não estiver em uso; 

·                      Lave o espaçador em água morna 2 ou 3 vezes por semana e lave-o com detergente neutro ou sabão de coco uma vez por semana. Deixe secar bem antes de usá-lo novamente.

Espaçador sem máscara:

 

·    Prepare o spray removendo a tampa e agitando bem o frasco, colocando-o na abertura de borracha do espaçador;

 

·    Peça à criança para expirar profundamente, “esvaziando” os pulmões;

 

·    Coloque o bocal do espaçador entre os dentes da criança, orientando-a a fechar os lábios em volta deste bocal;

·    Pressione a parte metálica para liberar um jato da medicação;

·    Peça para a criança fazer uma inspiração lenta e profunda, prendendo o ar (e a medicação inspirada) por 5 a 10 segundos, ou o máximo que ela conseguir;

·    Caso a criança não consiga fazer a inspiração profunda e/ou prender a respiração, oriente-a a respirar pelo menos 4 a 5 vezes, lenta e profundamente, com o bocal entre os dentes. Você pode observar a válvula de borracha de cor cinza, para ajudar a contar as respirações da criança;

·    Se a criança necessitar um segundo jato, aguarde 30 segundos, agite novamente o “spray” e repita as etapas 1 a 6. Não aplique mais de um jato de cada vez dentro do espaçador.

ATENÇÃO

·    Se a medicação em uso for um corticosteróide inalatório (Beclosol®, Clenyl®, Flixotide®, Azmacort®, Pulmicort®, Busonide®), ofereça algum líquido após a aplicação do spray ou oriente a criança a lavar a boca com água. Este procedimento diminui o risco de aquisição de candidíase oral (“sapinho”); 

·    Para evitar acúmulo de poeira, mantenha o espaçador em seu invólucro plástico quando não estiver em uso;

·    Lave o espaçador em água morna 2 ou 3 vezes por semana e lave-o com detergente neutro ou sabão de coco uma vez por semana. Deixe secar bem antes de usá-lo novamente.

SE APESAR DO TRATAMENTO EM CURSO, A CRIANÇA CONTINUAR APRESENTANDO FALTA DE AR, TOSSE OU AINDA, SE VOCÊ PERCEBER QUALQUER PIORA DA ASMA, PROCURE ATENDIMENTO MÉDICO IMEDIATAMENTE.

 


 

 


 
Av. Dr. Enéas Carvalho de Aguiar, 647, São Paulo - SP - Brasil CEP - 05403.000 - Telefone: (11) 2661- 8500
® Todos os direitos reservados. Instituto da Criança